O que é mais importante: poupança ou rentabilidade?

Hoje em dia há um foco enorme na rentabilidade do investimento em prol da poupança. “Comprei ações da empresa X e ganhei 20% num ano, grande negócio!” é mais sexy do que “Consigo poupar 50% do meu salário.” Mas será a rentabilidade o mais importante quando queremos acumular riqueza?

Vou dar-vos 2 exemplos do João e da Ana, assumindo que ambos recebem 2000 Euros líquidos por mês num salário pago em 12 meses.… Continuar a ler

7 dicas que reduziram os meus gastos em alimentação para metade

A alimentação é uma das categorias em que gastamos muito dinheiro e muito tempo. Eu tenho 2 filhos e, portanto, para mim e para o meu marido cozinhar rápido, saudável e barato é uma prioridade!

Veja estas dicas que eu utilizei para reduzir os meus gastos em alimentação para metade! Não só tive um ganho monetário como também reduzi muito significativamente o tempo que perco na cozinha, sem comprometer a saúde de todos cá em casa.… Continuar a ler

Qual a percentagem do meu salário que devo gastar em cada categoria de gastos?

Muitas pessoas me perguntam quanto devem gastar em cada categoria de gastos, isto é, que percentagem do salário devem gastar em habitação, transporte, alimentação, etc. Embora não haja uma resposta igual para todos, pois depende do que efetivamente valorizamos, existem, sim, guidelines nas quais nos podemos guiar.

Antes de fazer qualquer análise, é importante que saiba exatamente onde gasta o seu dinheiro.… Continuar a ler

5 passos para começar a investir em imobiliário

O imobiliário é o meu tipo de investimento de eleição. Além de ser um ativo no qual me sinto confortável em investir o meu dinheiro, pela sua estabilidade e também pela minha filosofia de investimento – que explico no passo 2 – acredito que é relativamente fácil fazer dinheiro com imobiliário e difícil perder.… Continuar a ler

Mitos sobre investimento

Gostava de partilhar com vocês um vídeo muito curto, mas que toca em conceitos muito importantes. Espero que consigam perceber tudo, embora esteja em inglês.

Mito 1: Não consigo investir e poupar ao mesmo tempo!

Mito 2: Tenho tempo para poupar para a reforma.… Continuar a ler

Educação financeira nas escolas? SIM!

É natural que uma sociedade capitalista se organize em torno do dinheiro, sendo por isso também expectável que a educação dada às nossas crianças tenha o critério monetário muito presente. As crianças são, desde cedo, incitadas a estudar, ser bem sucedidas na escola de forma a terem um bom trabalho que lhes permita sobreviver com dignidade.… Continuar a ler

Porque não é necessariamente melhor ter mais opções

Barry Schwartz, na sua TedTalk chamada O paradoxo da escolha explica de forma muito clara como o facto de termos disponíveis um maior número de escolhas não maximiza a nossa liberdade nem a nossa satisfação. À partida e segundo uma lógica racional, mais escolhas deveriam ser melhores do que menos, isto é, entre a hipótese de comprar calças pretas ou brancas e a hipótese de comprar calças pretas, brancas, azuis, amarelas ou castanhas, a segunda opção deveria ser mais apetecível.… Continuar a ler

Dinheiro como meio e não como fim

O dinheiro pode dar-nos liberdade se conseguirmos poupá-lo e utilizá-lo apenas no que efetivamente nos ajuda a atingir os nossos objetivos pessoais. Devemos pensar, sim, no objetivo de acumulação de riqueza e não nos focarmos tanto no aumento do rendimento mensal.

Dinheiro poupado equivale a liberdade. Liberdade para mudar de trabalho se quisermos, liberdade para negociarmos com os nossos chefes melhores horários (saber que temos opções dá-nos muito mais confiança para negociar no nosso local de trabalho), liberdade até para sairmos de uma relação com a qual não estamos satisfeitos (sabemos que tantos se mantêm em relações insatisfatórias unicamente por questões monetárias).… Continuar a ler

Porque a compra da sua casa raramente é um bom investimento

Geralmente tendemos a achar que a compra de uma casa é um bom investimento. Que em vez que deitarmos dinheiro fora a pagar um arrendamento, pagar para sentir que a casa é nossa (na realidade não é bem nossa, mas do Banco) é de facto melhor do que arrendar.

Uma vez que raramente vivemos na primeira casa que compramos para sempre, gostamos da ideia de que a conseguiremos vender rapidamente por tanto ou mais do que compramos no futuro.… Continuar a ler

Como eu comecei a criar rendimentos passivos

Rendimentos passivos representam dinheiro que recebemos sem ter nenhum esforço ativo, isto é, por exemplo, dinheiro de ações que valorizam, dividendos, pagamento de juros no caso de investimentos em obrigações, rendas no caso de investirmos em imobiliário, assim como depósitos a prazo ou fundos de investimento. São investimentos que fazem com que entre dinheiro regularmente para a nossa conta, sem termos de trabalhar.… Continuar a ler